Panorama de Mercado 30/04/2020 (10H35)

0

 

Dólar +1,60%

Euro +1,40%

 

Ibovespa

Down Jones Futuro

Ásia (CSI300)

Europa (Frankfurt)

-2,30%

-1,30%

1,20%

-1,40%

 

Mercado de Câmbio

Dólar operando em alta.  Se te contassem a cerca de dois meses atrás, dificilmente você acreditaria, mas desde 21 de março já são aproximadamente 30 milhões de americanos que solicitaram pedidos de auxílio desemprego no país. Na semana encerrada em 25 de abril foram mais 3,839 milhões de pedidos. Nem é dificil entender que os gastos dos consumidores tiveram queda de 7,3% em março ao passo que a renda pessoal no mesmo mês cravou declinio de 2 %, são os reflexos da pandemia na maior economia do mundo. Mas não é só lá. Na zona do euro, estimativa preliminar diz que o PIB no 1º trimestre de 2020 cai -3,8% em relação ao trimestre anterior, os preços ao consumidor recuaram em abril 0,4% na comparação anual, e a taxa de desemprego na região da moeda única em março foi a 7,4%, de 7,3% em fevereiro, porém abaixo da expectativa dos mercados. O Banco Central Europeu por sua vez decidiu por manter sua taxa de juro inalterada nos atuais -0,50%, e acrescentou que pagará ainda mais para que os bancos tomem empréstimos, mantendo boa parte de sua munição restante reservada para atacar os efeitos que a pandemia de coronavírus trará a região da moeda única. A instituição não aumentou seu plano de compra de ativos. A França já está em recessão tecnica, após registrar dois trimestres seguidos de contração e vale lembrar que a economia dos Estados Unidos está indo para o mesmo caminho, até por isso o Federal Reserve citou ontem, após manter o juro inalterado na faixa entre 0 a 0,25%, um cenário de alta incerteza acrescentando que usará todas as suas ferramentas para apoiar a economia. Já o Japão viu sua produção industrial em março cair ao ritmo mais rápido em cinco meses. Dados oficiais japoneses mostraram que a produção industrial do país caiu 3,7% em março em relação ao mês anterior, e as vendas no varejo recuaram 4,6% no mesmo mês em relação ao ano anterior. Na China a atividade industrial em abril marcou 50,8 pontos, lembrando que a marca de 50 separa crescimento de contração. No Brasil o IBGE disse a pouco que a taxa de desemprego ficou em 12,2% nos três meses até março, os preços ao produtor subiram 1,32% no mesmo mês, e os ministros da economia, Paulo Guedes, e da Casa Civil, Braga Netto, sinalizam alinhamento no discurso. A liquidez tende a ser reduzida nessa véspera de feriado prolongado e a guerra pela formação da Ptax entre os bancos termina as 13H. Na agenda americana, a atividade na região de Chicago em abril sai às 10H45. Uma última informação, a cidade de São Paulo deve ter a quarentena prorrogada após o dia 10 de maio e vai adotar restrições mais rígidas para impedir o avanço do coronavírus na cidade. Entre as novas restrições, a Prefeitura de São Paulo deve bloquear algumas vias da cidade.

 

Dólar INDEX: +0,12% (comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior)

Dólar FUTURO: +1,57% (comportamento do Dólar Futuro para o mês de junho)

 

Na agenda interna

A cidade de São Paulo terá a quarentena prorrogada após o dia 10 de maio e vai adotar restrições mais rígidas para impedir o avanço do coronavírus na cidade. Entre as novas restrições, a Prefeitura de São Paulo deve bloquear algumas vias da cidade.

Os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Casa Civil, Walter Braga Netto, indicaram em coletiva de imprensa que há concordância no governo em torno da política para combate aos estragos econômicos causados pelo coronavírus na economia local.

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 12,2 por cento nos três meses até março, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Na agenda externa

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial de indústria da China caiu a 50,8 em abril ante 52 em março, informou a Agência Nacional de Estatísticas. O setor de serviços, que responde por 60% do PIB da China, também registrou expansão da atividade, com o PMI oficial subindo a 53,2 de 52,3 em março.

De acordo com estimativa preliminar da agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, a produção econômica nos 19 países que usam o euro recuou 3,8% em relação aos três meses anteriores. A Eurostat também informou que os preços ao consumidor na zona do euro subiram 0,3% em abril sobre o mês anterior e 0,4% na comparação anual, de uma alta de 0,7% em março na base anual. Sobre a taxa de desemprego, 7,4% em março, de 7,3% em fevereiro. O Banco Central Europeu decidiu por manter sua taxa de juro inalterada nos atuais -0,50%, e acrescentou que pagará ainda mais para que os bancos tomem empréstimos, mantendo boa parte de sua munição restante reservada para atacar os efeitos que a pandemia de coronavírus trará a região da moeda única. A instituição não aumentou seu plano de compra de ativos.

A produção industrial do Japão em março caiu ao ritmo mais rápido em cinco meses, enquanto as vendas no varejo também recuaram. Dados oficiais mostraram que a produção industrial do país caiu 3,7% em março em relação ao mês anterior, queda mais acentuada desde outubro do ano passado. Já as vendas no varejo caíram 4,6% em março em relação ao ano anterior, reduzidas pela queda na demanda por mercadorias e roupas em geral, bem como pelo recuo nas vendas das lojas de departamento. O banco central do Japão pode realizar uma reunião de emergência antes do encontro de política monetária programado para junho para estabelecer um esquema de recompensa para instituições financeiras que aumentem os empréstimos a pequenas empresas atingidas pelo coronavírus, disse seu presidente, Haruhiko Kuroda.

A França sofreu no primeiro trimestre a maior contração econômica desde que os registros começaram em 1949. O Produto Interno Bruto encolheu 5,8% sobre os três meses anteriores. Esse foi o segundo trimestre seguido de contração, colocando a economia tecnicamente em recessão. As contenções da atividade devem seguir ao menos até 11 de maio.

Os preços do petróleo saltam impulsionados por sinais de que o excesso de oferta nos Estados Unidos não tem crescido tão rápido quanto se esperava e com indicações de uma alta na demanda por combustíveis, conforme algumas economias vão abrindo gradualmente.

O número de mortes relacionadas ao novo coronavírus registrados em 24 horas na Espanha caiu para 268, o menor patamar em quase seis semanas.

 

Nas Bolsas

As ações da China subiram nesta quinta-feira para registrar seu maior avanço mensal desde dezembro, depois de resultados positivos dos testes de um medicamento para tratar o Covid-19.  O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 1,2%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 1,3%. Bolsas europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos

Os pedidos iniciais de subsídio de desemprego totalizaram 3,839 milhões para a semana encerrada em 25 de abril. Isso caiu de 4,442 milhões da semana anterior, mas os números ainda são altos em níveis inimagináveis apenas alguns meses atrás. Os registros da semana passada elevaram o número de pessoas que buscavam benefícios de desemprego para cerca de 30 milhões desde 21 de março, aproximadamente 18,4% da população em idade ativa. Os gastos dos consumidores tiveram queda de 7,3% em março ao passo que a renda pessoal no mesmo mês cravou declinio de 2 %.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

 

Panorama de Mercado 29/04/2020 ( 10H25)

0

 

Dólar -0,10%

Euro 0,20%

 

Ibovespa

Down Jones Futuro

Ásia (CSI300)

Europa (Frankfurt)

0,24%

1,70%

0,46%

1,75%

 

Mercado de Câmbio

Dólar operando em leve baixa. E o que não faltam são declarações do Ministro da Economia Paulo Guedes nesta manhã de quarta-feira, e ele foi direto em vários temas. Sobre a ajuda direta da União à Estados e Municípios, ela será de 120 a 130 bilhões de reais, sairá em breve, tendo como contrapartida o congelamento dos salários do funcionalismo por 18 meses, tendo o apoio do Senado e preservando cerca de 4,3 milhões de empregos. Sobre o PIB estimativa de queda de 6% esse ano. Sobre o câmbio, a afirmação de Guedes foi: juro baixo, câmbio “em cima”, portanto, é questão de tempo para a Selic cair novamente, mais precisamente na próxima semana. Mansueto Almeida, secretário do Tesouro, afirmou que déficit nominal do país vai encerrar o ano entre 12% a 13% do PIB em razão das medidas relacionadas a pandemia. E quem caiu, como esperado, foi o índice de confiança da indústria (ICI), queda de 39,3 pontos em abril indo para 58,2 pontos, reflexo da interrupção de boa parte da atividade econômica, fechamento de lojas e fábricas, consumidores em suas casas cumprindo medidas de isolamento entre outras. A sondagem da indústria orienta a tomada de decisões empresariais e de políticas econômicas.  Já o IGP-M desacelerou em abril a 0,80%, depois de subir 1,24% em março. No exterior, o sentimento econômico na zona do euro sofre o maior declínio de todos os tempos em abril. Segundo a comissão europeia o índice caiu para 67 pontos, de 94,2 em março. A maior inclinação ocorreu no setor de serviços. E após parte dos Estados Unidos, Europa e Austrália indicarem redução de bloqueios, o petróleo tenta recuperação diante da perspectiva de que a demanda possa iniciar um processo de crescimento, além de animar investidores. Nos Estados Unidos, saiu a pouco a estimativa para o PIB no 1º trimestre desse ano, até o momento projeção de queda de 4,8%, entretanto, os dados ainda não estão completos, e uma segunda estimativa, mais próxima a realidade será divulgada somente no próximo mês. Logo mais às 11H saem dados do setor imobiliário, às 15H decisão sobre o juro, e principalmente atenção aos detalhes do comunicado e à coletiva do presidente do Banco Central Americano, Jerome Powell às 15H30 em busca de pistas sobre o tempo em que o FED pode manter sua política monetária na faixa entre 0 a 0,25%, se ampliará o programa de compra de dívidas e qual será a sua orientação futura. Como podemos ver, agenda importante a ser digerida, lembrando a aproximação do feriado prolongado e o início da guerra pela formação da Ptax entre os Bancos no Brasil, deixando o terreno escorregadio. E quem suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem como diretor geral da Polícia Federal foi o Ministro do STF Alexandre  de Moraes, o que pode esquentar o clima entre o executivo e o judiciário. Já China sinaliza que o país está voltando ao normal ao anunciar que seu Parlamento iniciará uma sessão anual crucial no próximo dia 22 de maio apresentando suas metas econômicas.

 

Dólar INDEX: -0,17% (comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior)

Dólar FUTURO: -0,30% (comportamento do Dólar Futuro para o mês de maio)

 

Na agenda interna

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, afirmou que o déficit nominal do país deverá encerrar o ano entre 12% a 13% do Produto Interno Bruto (PIB), em razão das despesas com medidas relacionadas à pandemia do coronavírus. “O Brasil, que é uma economia emergente, está encaminhando-se para um déficit nominal na casa de 12%, 13% do PIB, que é expressivo. Então isso não é um esforço pequeno”, disse ele em videoconferência promovida pelo Banco BV. Segundo Mansueto, a previsão é de que o país encerre o ano com um déficit primário próximo de 8% do PIB, enquanto a Dívida Pública Bruta deverá ficar entre 85% a 90% do PIB. Apesar disso, ele frisou que, em 2021, a trajetória do ajuste fiscal será retomada, com o cumprimento do teto de gastos e o avanço de reformas estruturais no Congresso, como a administrativa e tributária.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a ajuda direta da União a Estados e municípios será de 120 bilhões a 130 bilhões de reais e que sairá em breve, com o texto sendo formatado pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Guedes afirmou que Alcolumbre, relator do projeto, apoiou a intenção do governo de promover o congelamento dos salários do funcionalismo por 18 meses como contrapartida à injeção de recursos aos entes subnacionais. "Se vamos mandar 120, 130 bilhões em alta velocidade para Estados e municípios, esse dinheiro não pode virar aumento de salário", disse. O ministro avaliou que o país parece estar resistindo bem ao impacto inicial da crise do coronavírus no mercado de trabalho. Segundo Guedes, com as medidas do governo que permitiram a negociação de jornada e salários, a estimativa é de que 4,3 milhões de empregos foram preservados. Ele também estimou a queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 6% este ano, sem especificá-la, mas ponderou que o cálculo pressupunha que uma contração de 2% viria somente pelo choque externo por conta da crise, sendo que esse efeito ainda não apareceu. Segundo Guedes, as quedas nas exportações para Estados Unidos, Argentina e, em menor grau, para a Europa estão sendo compensadas pelo aumento das exportações do agronegócio para Ásia, particularmente China. "É inegável que o isolamento social começa a desarticulação da economia, a velocidade de saída da crise vai depender de mantermos os sinais vitais", disse ele, frisando a importância da safra, do escoamento da produção e da manutenção da cadeia de pagamentos na economia.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) do Brasil caiu 39,3 pontos em abril, para 58,2 pontos, atingindo nova minima recorde.  O Índice Expectativas (IE), que mede a percepção dos empresários sobre o futuro da indústria, recuou 46,6 pontos, para 49,6, enquanto o Índice de Situação Atual caiu 31,4 pontos, para 67,4. Há semanas, medidas de contenção da pandemia de coronavírus têm interrompido boa parte da atividade econômica, com quarentenas e outras ações de distanciamento social fechando lojas e fábricas e mantendo os consumidores em suas casas.

A alta dos preços no atacado arrefeceu e o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) encerrou abril com avanço de 0,80%, depois de subir 1,24% em março. O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

 

Na agenda externa

O sentimento econômico da zona do euro sofreu seu maior declínio de todos os tempos em abril, caindo mais do que o esperado depois que os bloqueios pelo coronavírus interromperam boa parte das atividades econômicas, mostrou uma pesquisa mensal da Comissão Europeia. O sentimento econômico caiu para 67,0 pontos – a maior queda desde que as medições começaram, em 1985 -, ante 94,2 revisados para baixo em março e 103,4 em fevereiro. A maior queda ocorreu no setor de serviços, que gera dois terços do PIB da zona do euro: o indicador caiu para -35,0 pontos. O sentimento da indústria caiu para -30,4, e o do comércio varejista recuou para -28,3.

A China anunciou que seu Parlamento iniciará uma sessão anual crucial no dia 22 de maio, sinalizando que o país está voltando ao normal depois de praticamente ficar paralisado durante meses por causa da epidemia de Covid-19. Durante o encontro do Congresso Nacional do Povo (NPC) na capital, delegados ratificarão leis importantes e o governo apresentará metas econômicas, delineará projeções de gastos de defesa e fará mudanças nos quadros. O governista Partido Comunista também costuma anunciar iniciativas de políticas determinantes na ocasião. Inicialmente, a sessão foi marcada para começar em 5 de março, mas foi adiada devido à Covid-19, que infectou quase 83 mil pessoas e matou mais de 4.600 no território continental desde que surgiu no final do ano passado na cidade central de Wuhan.

 

Nas Bolsas

Os índices acionários da China terminaram em alta nesta quarta-feira depois que os maiores bancos listados do país registraram sólidos lucros no primeiro trimestre, e com os investidores vendo sinais de afrouxamento das restrições. Entretanto, as persistentes preocupações com a pandemia de coronavírus limitaram os ganhos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 0,46%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,44%.  Os ganhos foram impulsionados pelas ações do setor bancário depois que quatro grandes bancos da China informaram lucros maiores para o primeiro trimestre apesar do impacto da pandemia. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos

O Federal Reserve, que injetou trilhões em fundos de emergência nos mercados financeiros para conter os danos da pandemia de coronavírus, deve reiterar sua promessa de fazer o que for preciso para sustentar a maior economia do mundo. O banco central dos EUA também pode sinalizar por quanto tempo planeja manter a taxa de juros perto de zero após começar a recuperação do que muitos economistas preveem que será a mais forte contração já registrada na história dos EUA neste trimestre. O comitê de política monetária do Fed, que se reúne por videoconferência, divulgará seu comunicado às 15h (horário d Brasília). O chair Jerome Powell fará videoconferência separada com jornalistas meia hora depois.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

 

Panorama de Mercado 28/04/2020 (10H15)

0

 

Dólar -1,30%

Euro –1%

 

Ibovespa Futuro

Down Jones Futuro

Ásia (CSI300)

Europa (Frankfurt)

4,10%

1,70%

0,65%

2%

 

Mercado de Câmbio

Dólar operando em baixa. Com o apetite ao risco renovado pautado na esperança de que os Bancos Centrais continuem seu trabalho de injeção de liquidez e estímulos, e expectativas na reabertura gradual das economias americana e europeia, os mercados seguem o comportamento externo nesse começo de terça-feira. O Banco Central norte-americano inicia hoje sua reunião de dois dias para esclarecer amanhã as 15H sua decisão sobre o juro do país. O Federal Reserve, tende a manter a taxa inalterada na faixa entre 0 a 0,25%, portanto, a atenção recairá no comunicado da instituição e sobretudo na coletiva do seu presidente Jerome Powell. Os agentes esperam encontrar pistas sobre quanto tempo o Fed pretende deixar os juros próximos de zero e o tipo de "orientação futura" relacionada a perspectivas no contexto geral. Um dia depois será a vez do Banco Central Europeu, e nesse caso é provável que a autarquia estenda suas compras de dívidas dando suporte ao financiamento corporativo. O petróleo segue sua rotina atual, excesso de oferta, falta de espaço para armazenamento, preço baixo. Por aqui, a sondagem FGV para constatar a confiança nos setores de serviços e de construção civil apenas confirmaram que o ambiente e o sentimento não são os mais favoráveis. Quedas na atividade e a perspectiva para os próximos meses derrubaram o otimismo diante do cenário global enfrentado, adiamento de projetos e maior dificuldade de acesso a crédito. São os efeitos da pandemia fazendo vítimas e contribuindo para o pessimismo. Já o IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial, caiu 0,01% em abril, sobre alta de 0,02% no mês anterior. Paralelamente o cenário político segue tendo a atenção dos mercados. Na Alemanha, o instituto econômico Ifo, projeta que a economia do país recue aproximadamente 6,6% esse ano. Nos Estados Unidos, os preços de imóveis em regiões metropolitanas marcaram alta de 3,5% em fevereiro na comparação anual, e logo mais às 11H sai a leitura final da confiança do consumidor em abril.

 

 

Dólar INDEX: –0,45% (comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior)

Dólar FUTURO: -1,50% (comportamento do Dólar Futuro para o mês de maio)

 

Na agenda interna

 

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M)1 variou 0,18% em abril, percentual inferior ao apurado no mês anterior, quando o índice registrou alta de 0,38%. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços subiu 0,38% em abril, após variar de 0,35% em março. O índice referente à Mão de Obra não variou em abril. No mês anterior a taxa foi de 0,40%. Quatro capitais apresentaram desaceleração em suas taxas de variação: Salvador, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre. Em contrapartida, Rio de Janeiro e São Paulo apresentaram acréscimos em suas taxas de variação e Brasília repetiu a taxa do mês anterior.

O Índice de Confiança da Construção (ICST), da Fundação Getulio Vargas, recuou 25,8 pontos em abril, atingindo 65,0 pontos. Essa é a maior queda mensal e o menor valor do índice desde o início da série histórica. “Em abril, houve uma piora abrupta e sem precedentes no ambiente de negócios da construção: os empresários apontaram redução em suas carteiras de contrato, mais dificuldade no acesso ao crédito e queda da atividade. As perspectivas de queda na demanda nos próximos meses derrubaram o otimismo empresarial dos primeiros meses do ano. Vale notar que nem no pior momento da crise de 2014-2018 que reduziu em 30% o PIB setorial, os empresários se mostraram tão pessimistas. Essa percepção negativa dos empresários não poupou nenhum segmento da construção”, observou Ana Maria Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção da FGV IBRE. Com o aumento do pessimismo relativo à demanda futura, a intenção de contratar dos empresários da construção também foi bastante afetada. O Indicador de Emprego Previsto (EP) caiu 33 pontos na comparação com março com ajuste sazonal. É o adiamento de projetos fazendo suas vítimas.

O Índice de Confiança de Serviços (ICS), da Fundação Getulio Vargas, recuou 31,7 pontos em abril, para 51,1 pontos, atingindo o menor nível da série histórica iniciada em junho de 2008. O resultado contribui com uma perda acumulada de 45,1 pontos no ano. “Os efeitos da pandemia se tornam cada vez mais claros no setor de serviços. Depois de registrar os primeiros sinais em março, a queda da confiança foi aprofundada em abril. A percepção dos empresários sobre a situação atual, que ainda apresentava suspiros em março, também despencou, juntando-se ao ritmo de piora das expectativas. O cenário para o curto prazo é de elevada incerteza e ainda sem perspectivas de recuperação, dado a fraca demanda e a provável deterioração do mercado de trabalho”, avaliou Rodolpho Tobler, economista da FGV IBRE.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial, caiu 0,01 por cento em abril, sobre alta de 0,02 por cento no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O presidente Jair Bolsonaro nomeou André Mendonça, que ocupava o cargo de advogado-geral da União, para substituir Sergio Moro no comando do Ministério da Justiça e Segurança Pública e confirmou o até então diretor da Agência Brasileira de Inteligência, Alexandre Ramagem, no posto de diretor-geral da Polícia Federal no lugar de Mauricio Valeixo. As nomeações foram publicadas nesta terça-feira no Diário Oficial da União, que também trouxe a substituição de Mendonça na Advocacia-Geral da União. O posto será agora ocupado pelo até então procurador-geral da Fazenda, José Levi Mello do Amaral.

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), abriu inquérito criminal para apurar as acusações feitas pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro contra o presidente Jair Bolsonaro. Na decisão, Celso de Mello atendeu a pedido de apuração requerido pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, e deu 60 dias de prazo para a PF, responsável por realizar as investigações, tomar o depoimento de Moro. Celso de Mello disse que, embora "irrecusável a posição de grande eminência" do presidente no contexto político-institucional da Constituição, "impõe-se reconhecer, até mesmo como decorrência necessária do princípio republicano, a possibilidade de responsabilizá-lo, penal e politicamente, pelos atos ilícitos que eventualmente tenha praticado no desempenho" de suas funções. "Ninguém, absolutamente ninguém, tem legitimidade para transgredir e vilipendiar as leis e a Constituição de nosso país. Ninguém, absolutamente ninguém, está acima da autoridade do ordenamento jurídico do Estado", disse o decano do STF, na decisão. Se não houver indícios que sustentem os fatos apresentados por Moro, o próprio ex-ministro poderá ser alvo de denúncia por denunciação caluniosa –crime em que uma pessoa imputa a outra fato inverídico que enseja uma investigação oficial. O procurador-geral quer que Moro apresente uma “manifestação detalhada sobre os termos do pronunciamento, com a exibição de documentação idônea que eventualmente possua acerca dos eventos em questão”. Ontem, Bolsonaro disse esperar que Moro prove as acusações que fez e destacou que espera uma análise rápida do caso. "O ministro que saiu fez acusações e é bom que ele comprove, até para minha biografia, tá ok? Agora, o processo no Supremo é o contrário, é ele que tem que comprovar aquilo que ele falou a meu respeito", disse.

O ministro da Saúde, Nelson Teich, assegurou que o governo não adotará nenhuma “medida intempestiva” com relação ao afrouxamento das ordens de isolamento social estabelecidas para conter o avanço do coronavírus, mas ressaltou que o país tem situações diversas relacionadas à doença em suas diferentes localidades. Teich prometeu para esta semana a definição de diretrizes para orientar Estados e municípios a decidirem sobre as medidas de isolamento. Segundo o ministro, as recomendações do ministério sobre o afrouxamento do isolamento serão baseadas em informações que garantam a segurança das pessoas e as condições de funcionamento dos sistemas locais de saúde.

 

Na agenda externa

O instituto econômico alemão Ifo afirmou que projeta que a economia do país recue cerca de 6,6% este ano devido ao novo coronavírus e que a recuperação nacional não retornará a níveis pré-pandemicos antes do final de 2021. A maior economia da Europa caiu 1,9% nos primeiros três meses de 2020, afirmou o Ifo, acrescentando que está esperando uma contração de 12,2% no segundo trimestre, baseado em dados da capacidade produtiva das empresas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu uma quantidade maior de voos para acelerar as remessas de conjuntos de exames e equipamentos de proteção para áreas em que a Covid-19 está se disseminando, especialmente a América Latina.

 

Nas Bolsas

 

O índice de blue-chips da China avançou nesta terça-feira após novas reformas regulatórias comemoradas pelo mercado, mas o índice de Xangai recuou conforme os grandes bancos se preparam para apresentar resultados após um tumultuado primeiro trimestre. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 0,69%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,19%. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos

 

O banco central inicia hoje dois dias de reunião de política monetária com pouca capacidade de julgar para onde está indo uma economia afetada pela epidemia de coronavírus. Afinal, os bancos centrais não podem suspender quarentenas. O Fed, que respondeu à crise atual cortando a taxa de juros, retomando a compra de títulos e apoiando os mercados de crédito, divulgará sua decisão de política monetária amanhã, às 15h. O chairman do Fed, Jerome Powell, vai realizar uma videoconferência com jornalistas logo depois. O comunicado pode começar a esclarecer por quanto tempo o Fed pretende deixar os juros próximos de zero e o tipo de "orientação futura" relacionada a perspectivas no contexto geral. Entre 10H e 11H saem dados do setor imobiliário do país em fevereiro e a leitura final da confiança do consumidor em abril.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

 

Quinta-feira 23/04/2020 – 10H20

0

 

Dólar -0,60%

Euro -0,90%

 

Ibovespa Futuro

Down Jones Futuro

Ásia (CSI300)

Europa (Frankfurt)

1,10%

0,20%

-0,25%

0,10%

 

Mercado de Câmbio

Dólar operando em baixa. O BCB realizou leilão surpresa logo na abertura do mercado hoje. A instituição ofereceu o swap tradicional onde a grosso modo, o BCB recebe a rentabilidade da Selic e paga a variação do dólar acumulada no periodo do contrato. O objetivo dessas operações é prover hedge cambial, protegendo contra variações excessivas  do dólar em relação ao real, diminuindo a pressão, correspondendo basicamente a injeção de moeda no mercado futuro. A forma como foi feita, logo na abertura e sem aviso prévio, reduziu o espaço também de quem procurava especular no mercado. De qualquer maneira as notícias veiculadas até o momento não foram muito agradáveis, a despeito de esperanças que novas medidas de estimulos possam ser implementadas em breve. A zona do euro mostrou um cenário praticamente paralisado na atividade economica em abril, com o PMI de serviços indo a 11,7 e o da indústria a 33,6. Mesmo sendo números preliminares sempre é bom lembrar que a marca de 50 separa crescimento de contração, resumindo, colapso.  Líderes do bloco se reunem hoje afim de avaliar um plano de recuperação economica que pode chegar a 2 trilhões de euros após a profunda recessão nos 19 países que compoem a moeda única. Nos Estados Unidos, preliminares da atividade economica em abril (10H45) e dados do setor imobiliário (11H) se somam aos já divulgados pedidos de seguro desemprego semanal, esclarecendo novas 4.427.000 solicitações do auxílio, com isso, já são 26 milhões de americanos que procuraram o benefício nas últimas cinco semanas, um recorde, mas, abaixo dos 5,237 milhões revisados da semana anterior. A redução abrupta na força de trabalho aumenta as preocupações em relação as vendas no varejo, produção industrial, a construção de casas e as vendas de residências, sugerindo que o país já possa estar em recessão. Hoje o presidente do BCB Roberto Campo Netos participa de live a tarde enquanto os mercados se preparam para nova redução na Selic, diminuindo ainda mais a atratividade do país ao investidor estrangeiro que intente por recursos aqui. Sobre eventuais vendas de ativos por parte do governo federal, com  cenário global da forma que está, isso deve ficar para o próximo ano de acordo com o secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar. Sobre o petroleo, expectativas de novos cortes na produção, uma vez que a demanda despencou cerca de 30% e o corte anunciado dias atrás foi de apenas 10%. Pra finalizar, China promete acelerar o investimento em vários setores, incluindo 5G, inteligência artificial, transporte e energia, além de impulsionar o emprego, segundo seu presidente XI Jinping.

 

Dólar INDEX: +0,09% (comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior)

Dólar FUTURO: -0,90% (comportamento do Dólar Futuro para o mês de maio)

 

Na agenda interna

O governo não deve vender mais nenhum ativo até o fim deste ano em função do cenário de crise e volatilidade com o coronavírus, ambiente que também jogou a privatização da Eletrobras para 2021, afirmou o secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar.

O BCB realizou leilão surpresa logo na abertura do mercado hoje. A instituição ofereceu o swap tradicional ao mercado, a grosso modo, o BCB recebe a rentabilidade da Selic e paga a variação do dólar acumulada no periodo do contrato. O objetivo dessas operações é prover hedge cambial, protegendo contra variações excessivas  do dólar em relação ao real, diminuindo a pressão, correspondendo basicamente a injeção de moeda no mercado futuro. A forma como foi feita, logo na abertura e sem aviso prévio, reduz espaço ao especulador.

 

Na agenda externa

A atividade econômica na zona do euro ficou praticamente paralisada neste mês uma vez que o novo coronavírus forçou governos a adotarem o isolamento e empresas a fecharem. O PMI Composto preliminar do IHS Markit despencou a 13,5, de longe a leitura mais baixa desde que a pesquisa começou em meados de 1998. Com restaurantes, bares e outras atividades de lazer fechadas, a situação no dominante setor de serviços foi sombria, com o PMI preliminar do setor despencando para nova mínima recorde de 11,7, ante 26,4. Abril também está sendo um mês muito difícil para as fábricas do bloco, com o PMI preliminar indo a 33,6, de 44,5 em março.

A Comissão Europeia está avaliando um plano que resultará em 2 trilhões de euros para financiar a recuperação econômica europeia após a profunda recessão que a pandemia de coronavírus causará este ano. Líderes do bloco se reunem ainda hoje. A crise do vírus atinge a economia da Alemanha e de toda a área do euro com força total. Os prestadores de serviços, em particular, estão sofrendo com a paralisação , que deve ser solta gradualmente novamente.

A China vai acelerar o investimento em vários setores, incluindo 5G, inteligência artificial, transporte e energia, além de impulsionar o emprego, afirmou nesta quinta-feira o presidente Xi Jinping conforme a segunda maior economia do mundo enfrenta os impactos da pandemia de coronavírus.

 

Nas Bolsas

As ações chinesas terminaram em baixa nesta quinta-feira, com a crescente incerteza econômica desencadeada pela pandemia de coronavírus mantendo os preços das ações sob pressão, impedindo os investidores de continuar com a recuperação da sessão anterior. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,25%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,19%. Bolsas europeias em leve alta.

 

Nos Estados Unidos

Preliminares da atividade economica em abril (10H45) e dados do setor imobiliário (11H) se somam aos já divulgados pedidos de seguro desemprego semanal, esclarecendo novas 4.427.000 solicitações do auxílio, com isso, já são 26 milhões de americanos que procuraram o benefício nas últimas cinco semanas, um recorde, mas, abaixo dos 5,237 milhões revisados da semana anterior. O abate no mercado de trabalho aumenta o colapso dos preços do petróleo, as vendas no varejo, a produção industrial, a construção de casas e as vendas de residências, reforçando a afirmação dos economistas de que a economia entrou em recessão em março.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

 

Panorama de Mercado 22/04/2020 (10H)

0
Dólar +0,60% Euro +0,70%

 

 

 

 

Ibovespa Futuro

Dow Jones Futuro

Ásia (CSI300)

Europa (Frankfurt)

0,10%

1,70%

0,82%

1,20%

 

Mercado de Câmbio

Dólar operando em alta. O petróleo voltou a preocupar ontem no feriado brasileiro atingindo níveis alarmantes de baixa, e hoje ensaia alguma recuperação, ainda assim muito longe do ideal. As restrições de movimentação mundial fizeram com que a demanda fosse jogada no chão enquanto que a oferta e alguns estoques não acompanharam a velocidade da queda na demanda. Por isso, outras medidas adicionais ao corte acordado dias atrás podem surgir em breve. Já em relação a economia global, seguem as análises sobre a profundidade da recessão, velocidade e forma de recuperação. No momento, a maioria dos líderes empresariais acreditam em uma recuperação em forma de U correspondendo a um longo período entre recessão e recuperação. Em uma recuperação em V, a retomada seria tão rápida quanto a queda. Em L, queda seguida de estagnação. Em W, instabilidade. Enfim, o alfabeto econômico denota a incerteza que o momento traz, e certamente os esforços conjuntos deveriam mirar uma recuperação em V, mas isso depende de uma série de variáveis. No calendário do dia, fluxo cambial até o final da semana passada às 14H30 no Brasil, e no exterior saem dados do setor imobiliário americano, bem como a prévia da confiança do consumidor na zona do euro, ambos às 11H. Nos Estados Unidos, o Senado aprovou um pacote de USD 484 bilhões em apoio a economia e na China investidores esperam por novas medidas de estímulos. Já na Europa, a expectativa recai sobre a reunião de seus líderes marcada para amanhã afim de discutir a resposta econômica do bloco para diluir os efeitos da pandemia nos 19 países que compõem a região da moeda única.

 

Dólar INDEX: -0,25% (comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior)

Dólar FUTURO: +0,50% (comportamento do Dólar Futuro para o mês de maio)

 

Na agenda interna

As atenções continuam voltadas para as medidas de contenção do coronavírus e o que o governo vem fazendo para mitigar os danos. De acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a corrente de comércio do país com o exterior ainda não sofreu o impacto da crise e os "sinais vitais" da economia doméstica estão por ora preservados.

 

Na agenda externa

Os preços do petróleo se estabilizaram após outra sessão depreciativa ontem, na qual os preços de referência para os EUA e para a Europa caíram acentuadamente. A Arábia Saudita disse estar monitorando os mercados de petróleo e pronta para tomar medidas adicionais para estabilizá-los junto a aliados da Opep+ e outros produtores. O presidente dos EUA, Donald Trump, que descreveu a queda no preço do petróleo dos EUA como uma questão de curto prazo causada por um aperto financeiro, disse que iria considerar a suspensão das importações de petróleo da Arábia Saudita, que liderou os esforços da Opep para reduzir a produção. Trump disse que a indústria do petróleo estava sofrendo com a falta de demanda, à medida que os Estados impuseram restrições de movimentação para refrear a propagação do coronavírus. A sobreoferta tem crescido desde que a Opep+, liderada por Arábia Saudita e Rússia, falhou em prorrogar cortes de produção no mês passado. A Opep+ chegou a um acordo para novos cortes neste mês, mas medidas de isolamento de governos para conter a pandemia cortaram ainda mais a demanda.

Líderes empresariais globais estão se preparando para uma recessão em forma de U devido ao impacto do coronavírus. Cerca de 60% de presidentes das empresas acreditam num longo período entre recessão e recuperação. Em uma recuperação em V, a retomada seria tão rápida quanto a queda. Em L, queda seguida de estagnação. Em W, instabilidade. Enfim, o alfabeto econômico denota a incerteza que o momento traz, e certamente os esforços conjuntos deveriam mirar uma recuperação em V, mas isso depende de uma série de variáveis.

 

Nas Bolsas

Os índices acionários da China reverteram o curso e fecharam em alta nesta quarta-feira, com os investidores esperando que o governo acelere a adoção de mais medidas de estímulo fiscal para sustentar a economia afetada pela pandemia de coronavírus. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 0,82%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,6%. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos

O Senado aprovou um projeto de lei para complementar o programa esgotado de ajuda a pequenas empresas. Juntamente com outras medidas projetadas para ajudar os hospitais, o acordo inclui US$ 484 bilhões em novas medidas de apoio. Os democratas da Câmara expressaram insatisfação com o projeto de lei por não incluir mais recursos para os governos municipais. Eles também queriam que mais dinheiro fosse disponibilizado para testes de vírus.

 
Fonte: Reuters e Investing.com
 

Panorama de Mercado 17/04/2020

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸  DÓLAR    ⬆  ➕0,20%  💱 🇪🇺 EURO  ⬆  ➕0,50%  🗞.

 

 

Ibovespa Futuro: 1%                                       Ásia (CSI300): 0,98%

Dow Jones Futuro: 2,70%                              Europa (Frankfurt): 3,50%

 

No mercado de câmbio: Dólar operando em alta. E pode parecer ruim, foi, mas nem tanto… Dados da China mostraram que o PIB do 1º trimestre caiu -6,8%, ante algumas expectativas do mercado mais sombrias. A produção Indl caiu -1,1% bem menos que o esperado, e a taxa de desemprego bateu 5,9% melhor que fevereiro onde a taxa foi de 6,2%. Somente as vendas do varejo recuaram em patamar superior as projeções, caindo -15,8%. O segundo trimestre asiático deve marcar recuperação com a restauração da atividade sendo feita gradualmente. Um ponto de incerteza será a demanda externa, uma vez que vários países estão tendo problemas em reabrir suas economias, o que deve acontecer em breve, prejudicando o comércio. Se do lado doméstico, o sentimento melhorar, o que no primeiro trimestre não aconteceu, saberemos a velocidade da recuperação. De qualquer forma a previsão do FMI de que o crescimento chinês será zero em 2020, tende a não se confirmar. A China, mesmo tendo seu crescimento afetado significativamente em relação aos anos anteriores, deve marcar algum crescimento esse ano. Na zona do euro a inflação desacelerou a 0,7% em março, de 1,2% em fevereiro. Sobre a COVID-19, esperança renovada após relatos de bons resultados no tratamento com o medicamento remdesivir, desenvolvido pela biofarmacêutica americana Gilead Science.  No Brasil, os mercados esperam pela votação em segundo turno no Senado do chamado orçamento de guerra, enquanto observam as rusgas entre executivo e legislativo. Nos Estados Unidos, Donald Trump, propôs que os Estados possam agir para retomar a economia em um processo escalonado em três etapas.

 

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬇  INDEX: 0,15%  (Comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior).

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬆ FUTURO: 0,18%  (Comportamento do Dólar Futuro para o mês de Maio).

 

Na agenda interna,  O IGP-M registrou alta de 1,0% na segunda prévia de abril, de 0,99% no mesmo período do mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que não vai haver um “cavalo de pau” em relação a um eventual fim do isolamento social determinado nos Estados para combater a propagação do novo coronavírus, e ressalvou que decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) colocou esse poder nas mãos de governadores e prefeitos. Em transmissão em suas redes sociais ao lado do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, Bolsonaro disse que, com “muita responsabilidade”, o Brasil vai ter que voltar a trabalhar. Em relação ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Bolsonaro sugeriu que há interesse do deputado em retirá-lo do cargo. Em uma contundente entrevista dada à Rede CNN, ao fim do dia que trocou o ministro da Saúde, Bolsonaro disse que Maia defende uma proposta de socorro aos Estados na qual a conta toda cai em cima do Poder Executivo, que não tem condições, segundo ele, de aguentar todo custo. O presidente disse que vai atender aos governadores, mas que é preciso que haja contrapartida. “Se não, nós vamos matar a galinha dos ovos de ouro”, afirmou, acrescentando que assim o Brasil “vai quebrar” e ficar em situação igual à da Venezuela.

Ao anunciar a troca no comando do Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro voltou a afirmar que as quarentenas e demais medidas de isolamento implantadas nos Estados para conter a disseminação do vírus estão sendo responsáveis por uma alta no desemprego, e criticou governadores e prefeitos pelo que afirmou serem medidas em excesso e exagero. “A vida não tem preço, mas a economia, o emprego, têm que voltar à normalidade, não o mais rápido possível, mas tem que começar a ser flexibilizado para que exatamente não venhamos a sofrer mais com isso”, disse Bolsonaro em pronunciamento no Palácio do Planalto. “Em nenhum momento eu fui consultado sobre medidas adotadas por grande parte dos governadores e prefeitos. Temos certeza que eles sabiam o que estavam fazendo. O preço vai ser alto. Tinham que fazer alguma coisa? Tinham. Mas se por ventura exageraram, não botem essa conta, não no governo federal, não botem mais essa conta nas costas do nosso sofrido povo brasileiro”, acrescentou.

 

Na agenda externa, A economia da China contraiu no primeiro trimestre pela primeira vez na série histórica uma vez que o coronavírus fechou fábricas e lojas e deixou milhões de pessoas sem trabalho. O Produto Interno Bruto recuou 6,8% entre janeiro e março na comparação com o ano anterior. Foi a primeira contração da segunda maior economia do mundo desde ao menos 1992, quando dados trimestrais oficiais do PIB começaram a ser publicados. Mas o lado bom foi uma queda muito menor do que a esperada na produção industrial de março, sugerindo que o alívio tributário e de crédito para empresas afetadas pelo vírus está ajudando a retomar partes da economia fechadas desde fevereiro. As vendas no varejo perderam 15,8%, ante projeção de queda de 10%. O investimento em ativo fixo perdeu 16,1% entre janeiro e março sobre o ano anterior. Para 2020, a expectativa é de que o crescimento econômico da China caia para 2,5%, ritmo anual mais lento em quase meio século.

A inflação na zona do euro desacelerou com força em março para 0,7% sobre o ano anterior. A inflação geral diminuiu para 0,7% ante 1,2% em fevereiro, disse a Eurostat, ainda mais longe da meta do Banco Central Europeu de abaixo mas perto de 2% no médio prazo. O núcleo da inflação, que exclui alimentos não processados e energia e acompanhando de perto pelo BCE, mostrou aumento dos preços de 1,2% em termos anuais, de 1,3% em fevereiro.

 

Nas Bolsas, As ações da China encerraram em alta nesta sexta-feira, com os investidores deixando de lado a primeira contração econômica trimestral do país em pelo menos 28 anos e depositando suas esperanças em uma recuperação apoiada pelo Estado, à medida que o impacto da pandemia de coronavírus diminui. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,98%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,66%. O segundo trimestre asiático deve marcar recuperação com a restauração da atividade sendo feita gradualmente. Um ponto de incerteza será a demanda externa, uma vez que vários países estão tendo problemas em reabrir suas economias, o que deve acontecer em breve, prejudicando o comércio. Se do lado doméstico, o sentimento melhorar, o que no primeiro trimestre não aconteceu, saberemos a velocidade da recuperação. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, indicadores antecedentes às 11H encerram a semana.

 

ADVANCED – “A sua escolha em câmbio”.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

Panorama de Mercado 16/04/2020

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR ⬆  ➕0,20% 💱 🇪🇺EURO ⬇  ➖0,05%  🗞 .

 

Ibovespa futuro: -0,10%                                   Ásia (CSI300): 0,13%

Dow Jones Futuro: -0,56%                              Europa (Frankfurt): 0,80%

 

No mercado de câmbio: Dólar operando alta no início dos negócios. Se por um lado as primeiras avaliações do dia eram de certo otimismo diante da preparação de abertura econômica gradual na Alemanha, e ainda aguardando pelo pronunciamento de Donald Trump visando esclarecimentos sobre seus planos para reabrir em breve o país, por outro, as noticias que chegam dos Estados Unidos nesta manhã, não são lá muito animadoras. O país registrou na semana passada novos 5,2 milhões de pedidos de auxílio desemprego elevando o total de pedidos para um patamar acima de 20 milhões de solicitações. Já dados do setor imobiliário em março mostraram queda de 22,3% para o mês, ante -3,4% em fevereiro. Em relação ao indice de condições de negócios do FED da Filadelfia para abril, negativos -56,6, menor patamar desde julho de 1980. São dados que frearam o impeto pelo risco e confirmam que ainda é prematuro dizer que a crise do coronavirus passou, mesmo com possibilidade de reaberturas parciais em praças importantes, isso ainda demanda tempo. Vale ressaltar que nesta noite os mercados vão se deparar com dados chineses referentes ao 1º trimestre de 2020. PIB e produção industrial entre outros não tendem a ser favoráveis, pelo contrário, o lockdown vai trazer seus reflexos com os mercados reagindo amanhã. A conferir. Por aqui, Senado aprovou em 1º turno o orçamento de guerra, e amanhã deve selar o 2º turno da votação. A PEC permite que os gastos com a crise do coronavírus sejam contabilizados à parte do orçamento principal e traz dispositivos que autorizam o Banco Central a atuar no mercado secundário.

 

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬆ INDEX: 0,30%  (Comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior).

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬇ FUTURO: 0,10%  (Comportamento do Dólar Futuro para o mês de Maio).

 

Na agenda interna,   O Senado aprovou ontem em primeiro turno de votação a chamada PEC do orçamento de guerra, que permite que os gastos com a crise do coronavírus sejam contabilizados à parte do orçamento principal e traz dispositivos que autorizam o Banco Central a atuar no mercado secundário. O segundo turno de votação da Proposta de Emenda à Constituição está marcado para amanhã. O texto do relator, Antonio Anastasia atende demandas de senadores e restringe a atuação do Banco Central na compra e venda de títulos. Na tentativa de aplacar os temores de colegas sobre a possibilidade de compra dos chamados títulos podres, argumentou o relator, o texto da PEC passou a exigir um rating mínimo dos ativos a serem adquiridos pelo Banco Central, que deverão ter classificação em categoria de risco de crédito no mercado local equivalente a BB- ou superior. Também determina que o BC preste informações diárias sobre essa atuação. O relator mudou o texto votado pela Câmara para exigir que o presidente da instituição financeira, Roberto Campos Neto, preste contas ao Parlamento a cada 30 dias, e não em intervalos de 45 dias, como votaram os deputados. Segundo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), o Executivo “apoia o texto final do relatório de Anastasia”. Outra inovação de Anastasia proíbe que instituições financeiras utilizem os recursos obtidos com a venda de ativos para o BC para o pagamento de juros sobre o capital próprio e dividendos acima do mínimo obrigatório. Também impede as instituições financeiras de aumentar a remuneração de diretores, administradores e membros do conselho de administração.

 

Na agenda externa, O banco central da China afirmou que continuará a guiar o crédito para sustentar a economia real, especialmente empresas menores, através de medidas como cortes direcionados na taxa de compulsório e reempréstimo. Desde o início de fevereiro, o banco central vem apresentando uma série de medidas, como cortes das taxas de empréstimo e alívio de pagamento para empresas que foram mais afetadas pelo surto de coronavírus e pelas medidas de contenção.

O Banco Central Europeu está se preparando para uma “grande contração” na economia da zona do euro e, pelo menos inicialmente, uma queda na inflação, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde. “Na área do euro, os dados econômicos recebidos, particularmente os recentes resultados de pesquisa, começaram a mostrar quedas sem precedentes, apontando para uma grande contração na produção na zona do euro, bem como para a rápida deterioração dos mercados de trabalho”, disse Lagarde ao Comitê Monetário e Financeiro Internacional.

A produção industrial da zona do euro caiu ligeiramente em fevereiro, um mês antes de as restrições contra o coronavírus serem amplamente adotadas na Europa, devido a perdas em bens de capital e bens duráveis ao consumidor após forte alta em janeiro. A produção recuou 0,1% na comparação com o mês anterior nos 19 países que usam o euro após aumento de 2,3% em janeiro. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, a produção industrial caiu 1,9% após queda de 1,7% em janeiro e expectativa de perda de 2,0%.

 

Nas Bolsas,  Os índices acionários da China fecharam em alta nesta quinta-feira diante da recuperação do sentimento do investidor global, mas os ganhos foram modestos antes dos dados do PIB do primeiro trimestre que devem mostrar contração econômica pela primeira vez em quase 30 anos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 0,13%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,31%. Bolsas europeias em alta.

 

Nos Estados Unidos, Outros 5,2 milhões de americanos buscaram benefícios de desemprego na semana passada, elevando o total de pedidos de indenizações no mês passado acima de 20 milhões , o que reforçaria a profunda queda econômica causada pelo novo surto de coronavírus. O Departamento do Trabalho disse hoje que 5.245 milhões de novas reivindicações de desemprego foram registradas na semana passada, abaixo dos 6.615 milhões levemente revisados na semana anterior. Já dados do setor imobiliário em março mostraram queda de 22,3% para o mês, ante -3,4% em fevereiro. Em relação ao indice de condições de negócios do FED da Filadelfia para abril, negativos -56,6, menor patamar desde julho de 1980.

 

Segue análise técnica (gráfica) desta manhã, por Guacyro Filho.

USD

Com fechamento em R$5,2365 e alta de 1,44% o dólar iniciará o pregão dessa quinta-feira reagindo a divulgação de dados da economia norte americana.

Sua resistência principal está na taxa de R$5,2888 e R$5,34.

Já em um cenário de baixa,testaria o seu suporte em 5,1720.

A moeda norte americana mantém sua tendência de alta como movimento principal.

 

ADVANCED – “A sua escolha em câmbio”.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

Panorama de Mercado 15/04/2020

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR ⬆  ➕1,60% 💱 🇪🇺 EURO  ⬆  ➕0,70%  🗞 .

 

Ibovespa: -2,25%                                     Ásia (CSI300): -0,74%

Dow Jones Futuro: -2,40%                      Europa (Frankfurt): -3,26%.

 

No mercado de câmbio: Dólar operando em alta nesta manha. E segue a sangria global em relação a retração esperada para o ano de 2020. O Fundo monetário Internacional (FMI) que começou o ano com previsões de crescimento próximo de 3%, agora ve retração na economia mundial de 3%, certamente amparado pela paralisação na atividade produtiva e de serviços conforme fronteiras permanecem fechadas e países lutam para conter o avanço do coronavirus. Nos Estados Unidos, por exemplo, as vendas no varejo tiveram queda brusca em março de -8,7%, um recorde negativo. Já em relação a produção industrial americana, outro tombo, -5,49% em março. Seguem também as avaliações dos agentes em relação a reabertura gradual das economias de forma segura, de modo que esse movimento não aconteça de forma prematura no que poderia abrir a porta para uma segunda onda de infecções. Os americanos e alguns países europeus gerenciam riscos e pretendem afrouxar o isolamento em breve. Na China, o primeiro trimestre deve trazer números esclarecedores de queda acentuada na atividade, e se espera que a partir do segundo trimestre as coisas comecem a melhorar gradualmente. Europa, Estados Unidos e Brasil, não terão o mesmo folego. Para esses a recuperação pode ser mais intensa no segundo semestre, sobretudo nos Estados Unidos. Para o Brasil, o próprio Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, acredita numa recuperação somente no ultimo trimestre desse ano. Até la atenção para as medidas que visam minimizar os impactos na economia que vem sendo adotadas. Hoje, o foco está no Senado que pode vir a votar o orçamento de guerra enquanto seguem as negociações a respeito de ajustes no texto de socorro a Estados e municípios aprovado na Camara, e que desagradou a equipe econômica. Falando nisso, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, já não acredita em déficit de R$ 500 bilhoes esse ano, agora, ele diz que o valor se aproxima de R$ 600 bilhoes em meio a pandemia, quase 8% do PIB.

 

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬆  INDEX: 1%  (Comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior).

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬆   FUTURO: 1,70%  (Comportamento do Dólar Futuro para o mês de Maio).

 

Na agenda interna,  O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, renovou sua previsão para o déficit primário neste ano, que se aproxima de 600 bilhões de reais em meio à pandemia do coronavírus, perto de 8% do Produto Interno Bruto (PIB). Sobre a transferência de recursos a Estados e municípios, ele disse que há necessidade de bom debate neste momento para estabelecimento do tamanho do auxílio. Abordado sobre a agenda de privatizações defendida pela equipe econômica, Mansueto reconheceu que no curto prazo, em decorrência dos impactos econômicos causados pelo coronavírus nas cadeias produtivas, as condições de mercado não contribuem para o programa, podendo haver atraso em sua execução. Ele, no entanto, ressaltou que assim que haja a recuperação dos mercados, a continuidade da agenda "é essencial".

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vai defender junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI) uma nova alocação ampla dos direitos especiais de saque, a moeda do Fundo, de forma a alavancar a liquidez global em meio às restrições geradas pelo impacto econômico da crise do coronavírus. "Esse é um mecanismo de baixo custo e baixo risco que já foi testado em períodos de crise. Ele melhora o fluxo de liquidez e é particularmente útil para economias médias e pequenas, que não têm reservas internacionais suficientes ou acesso a linhas de swap", diz o discurso, ao qual a Reuters teve acesso.

O Índice Geral de Preços-10 (IGP-10) teve alta de 1,13% em abril, depois de subir 0,64% no mês anterior.

 

Na agenda externa, Bank of America publicou seu balanço referente ao primeiro trimestre e mostrou lucro abaixo das previsões. O lucro por ação (LPA) foi de US$ 0,40, ante apostas em LPA de US$ 0,59.A receita do primeiro trimestre alcançou US$ 22,77 bilhões. A expectativa dos analistas do mercado era de receita de US$ 22,67 bilhões. No Goldman Sachs, o lucro por ação (LPA) foi de US$ 3,11, ante apostas em LPA de US$ 3,75. A receita do primeiro trimestre alcançou US$ 8,74 bilhoes. A expectativa era de uma receita próxima de US$ 8,47 bilhoes.

 

Nas Bolsas,  Os índices acionários da China fecharam em baixa nesta quarta-feira, com os investidores preocupados com uma queda acentuada esperada no crescimento econômico do país no primeiro trimestre, compensando um breve impulso de um corte amplamente esperado na taxa de empréstimo de médio prazo. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,74%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,57%. O banco central da China reduziu a taxa de juros em seu mecanismo de empréstimos de médio prazo para instituições financeiras em 20 pontos-base, para 2,95%, mínima recorde, na tentativa de combater as consequências econômicas da crise de saúde do coronavírus. Mais flexibilização é esperada para ajudar as empresas em dificuldades a se reerguerem. Bolsas europeias em baixa.

 

Nos Estados Unidos, Autoridades do Federal Reserve têm começado a lidar com as complexidades sobre como reabrir a economia do país e ao mesmo tempo proteger contra o ressurgimento de infecções pelo coronavírus. Embora o período entre abril e junho deva mostrar uma forte contração econômica, o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, afirmou que os EUA não podem pagar indefinidamente 25 bilhões de dólares por dia, custo de perda de produção estimado por ele por causa do atual bloqueio. Mas qualquer reabertura precisa ser feita com segurança, com um plano nacional de gerenciamento de riscos, disse ele à Câmara de Comércio de St. Louis, em uma Webcast. O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, afirmou que qualquer protocolo decidido precisa ter proteção contra o ressurgimento do vírus e a necessidade de recorrer novamente a um amplo distanciamento social. "Se tentarmos reabrir os negócios cedo demais e depois tivermos outra onda… então será uma queda muito mais prolongada e poderá ser muito, muito cara", disse ele. Se isso significa manter a economia fechada por mais tempo, Evans disse que então as autoridades norte-americanas precisam preparar uma rede de segurança ainda mais duradoura.

Na agenda econômica, vendas no varejo em março caíram -8,7%, reflexo do período de reclusão social que o país enfrenta. Já a produção industrial sai as 10H15.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

Panorama de Mercado 14/04/2020

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR  ⬇ ➖0,50%  💱 🇪🇺 EURO ⬇  ➖0,05%  🗞

 

Ibovespa futuro: 1,40%                                   Ásia (CSI300): 1,93%

Dow Jones Futuro: 1,60%                              Europa (Frankfurt): 1%.

 

No mercado de câmbio: Dólar abrindo em baixa no início dos negócios. O exterior dá o tom na manhã desta terça-feira após a China esclarecer que a queda tanto nas exportações como importações no país perdeu força em março conforme as fábricas voltam as atividades. As exportações recuaram 6,6% no mês, ante 17,2% em janeiro-fevereiro, já as importações recuaram 0,9% depois de terem caído 4% nos dois primeiros meses de 2020. O cenário para a China no segundo trimestre, mesmo enfraquecido pela demanda externa, reflexo da paralisação na atividade industrial mundial, tende a mostrar recuperação de acordo com o governo chinês. A conferir. A alfandega do país esclareceu também que as importações de petróleo em março cresceram 4,5% na comparação anual, lembrando que os chineses são os maiores importadores de petróleo do mundo. Já na França, com o bloqueio estendido até pelo menos 11 de maio devido a pandemia de coronavírus, expectativa de retração na economia em torno de 8%, ante 6% de dias atrás, segundo o ministro das finanças do país, Bruno Le Maire. Por aqui saiu o o Índice de Atividade Econômica do Banco Central  (IBC-Br) espécie de sinalizador do PIB, que em fevereiro subiu 0,35% ante janeiro. Como observamos, a preocupação maior em relação aos indicadores vem a partir daqueles que mostram dados do mês de março. E a Câmara dos deputados armou a bomba fiscal, de acordo com a equipe economica, ao aprovar o texto que prevê “compensação” a Estados e munícipios por queda na arrecadação devido a crise do coronavírus. A estimativa de Rodrigo Maia é de que o novo texto do plano Mansueto terá impacto de aproximadamente 80 bilhões de reais, patamar que pode crescer dependendo da ação dos governadores. A equipe econômica entende se tratar de ajuda extraordinária devido ao atual momento e deseja evitar questionamentos na justiça como se os recursos tivessem sido repassados como forma de compensação pela perda na arrecadação de impostos como ICMS (Estados) e ISS (municípios). Na visão do Planalto o plano Mansueto original foi desfigurado pelo congresso tendo em vista que pode perder seu pilar de sustentação que é justamente o estabelecimento de ajustes fiscais pelos Estados que ganhassem garantia do Tesouro em novas operações de crédito. Em suma, novos financiamentos sem regramentos podem se tornar para a União assumir responsabilidade pelos pagamentos em caso de inadimplência dos entes. No sábado, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, afirmou que era importante arbitrar um número de transferência de recursos a Estados e municípios e que "algo em torno de 30 a 40 bilhões é suportável pra não pressionar tanto o déficit primário". "Se for algo muito acima disso começa a preocupar", disse.  O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a ajuda a Estados e municípios no modelo de compensação por perda de receitas com impostos seria uma irresponsabilidade e um cheque em branco. Guedes afirmou que o mecanismo geraria um descuido na gestão das arrecadações estaduais e municipais, uma vez que toda perda seria compensada pela União,ou seja, pelos contribuintes. Com as contas públicas deterioradas se trata de mais uma derrota imposta pela Câmara ao governo federal. Nos Estados Unidos, Donald Trump, diz que o governo está próximo de completar um plano para reabrir a economia do país. Nove Estados nas costas leste e oeste do país informaram que haviam começado o planejamento para a reabertura gradual de suas economias e a suspensão dos decretos para ficar em casa.

 

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬇  INDEX: 0,35%  (Comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior).

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬇   FUTURO: 0,85%  (Comportamento do Dólar Futuro para o mês de Maio).

 

Na agenda interna,  A Câmara dos Deputados aprovou o texto principal de projeto de compensação a Estados e municípios, um “seguro-receita”, pela queda na arrecadação decorrente da crise do coronavírus. Seu presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o novo texto tem impacto de aproximadamente 80 bilhões de reais, patamar que pode crescer dependendo da ação dos governadores. Anteriormente apelidado de “Mansueto light”, a proposta é encarada pela equipe econômica como uma bomba fiscal. A equipe econômica entende se tratar de ajuda extraordinária devido ao atual momento e deseja evitar questionamentos na justiça como se os recursos tivessem sido repassados como forma de compensação pela perda na arrecadação de impostos como ICMS, no caso dos Estados e ISS no caso dos municípios. Na visão do Planalto o plano Mansueto original foi desfigurado pelo congresso tendo em vista que pode perder seu pilar de sustentação que é justamente o estabelecimento de ajustes fiscais pelos Estados que ganhassem garantia do Tesouro em novas operações de crédito. Em suma, novos financiamentos sem regramentos podem se tornar para a União assumir responsabilidade pelos pagamentos em caso de inadimplência dos entes. No sábado, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, afirmou que era importante arbitrar um número de transferência de recursos a Estados e municípios e que "algo em torno de 30 a 40 bilhões é suportável pra não pressionar tanto o déficit primário". "Se for algo muito acima disso começa a preocupar", disse.  O resultado primário e definido pela diferenca entre receitas e despesas do governo, excluindo-se das contas as receitas e despesas com juros. Caso essa diferenca seja positiva , tem-se um superavit primário, caso seja negativa, tem-se um deficit primário. O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a ajuda a Estados e municípios no modelo de compensação por perda de receitas com impostos seria uma irresponsabilidade e um cheque em branco. Em mensagem encaminhada a jornalistas, Guedes afirmou que esse tipo de mecanismo geraria um descuido na gestão das arrecadações estaduais e municipais, uma vez que toda perda seria compensada pela União,ou seja, pelos contribuintes. Com as contas públicas deterioradas se trata de mais uma derrota imposta pela Câmara ao governo federal.

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, afirmou que o número de acordos trabalhistas envolvendo redução da jornada e salário ou a suspensão temporária de contrato fechados sob as regras da medida provisória 936 já ultrapassou a marca de um milhão, entre decisões de caráter individual ou coletivo. “Já podemos dizer que essa Medida Provisória (936) já tem surtido frutos e os frutos são mais de um milhão de empregos preservados”.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), confirmou a prorrogação das medidas de isolamento social no Estado em decorrência do coronavírus até 30 de abril, e cobrou ajuda financeira do governo federal no enfrentamento à pandemia. De acordo com dados do Ministério da Saúde, o Rio de Janeiro é o segundo Estado com mais casos confirmados da doença no país, com 3.231 registros e 188 mortes, atrás apenas de São Paulo, o epicentro do surto no Brasil.

Segundo fontes da Reuters, o governo federal irá lançar um programa de crédito a microempresas via Caixa Econômica Federal, que assumirá o risco de inadimplência para negócios com faturamento anual de até 360 mil reais que apresentarem histórico de bom pagamento no Simples.

E saiu o Índice de Atividade Econômica do Banco Central  (IBC-Br) espécie de sinalizador do PIB, que em fevereiro subiu 0,35% ante janeiro. Como observamos, a preocupação maior em relação aos indicadores vem a partir do mês de março.

 

Na agenda externa, A queda nas exportações e importações da China perdeu força em março conforme as fábricas retomaram a produção. Dados da alfândega mostraram que as exportações caíram 6,6% em março sobre o ano anterior, melhorando ante a queda de 17,2% em janeiro-fevereiro, com os exportadores correndo para liberar os pedidos em atraso após paralisações forçadas da produção. O cenário para a China no segundo trimestre, mesmo enfraquecido pela demanda externa, reflexo da paralisação na atividade industrial mundial, tende a mostrar recuperação de acordo com o governo chinês. Os dados mostraram ainda que as importações recuaram 0,9% sobre o ano anterior, demonstrando em parte os embarques que estavam presos nos portos e foram liberados, além da demanda conforme as autoridades aliviaram as restrições. O superávit comercial no mês passado ficou em 19,9 bilhões de dólares, contra expectativa de superávit de 18,55 bilhões na pesquisa e déficit de 7,096 bilhões de dólares em janeiro-fevereiro.

O banco JPMorgan publicou seu balanço referente ao primeiro trimestre. Nele a instituição registrou receita de US$ 29,07 bilhões, abaixo das expectativas. O lucro por ação (LPA) foi de US$ 0,78, ante previsões de LPA em torno de US$ 2,28. Quem também publicou seu desempenho no primeiro trimestre desse ano foi a Johnson & Johnson (J&J) registrando uma receita de US$ 20,69 bilhões. A empresa divulgou que o lucro por ação (LPA) foi de US$ 2,30, ante apostas em LPA de US$ 1,99. Lembrando que a semana reserva uma série de divulgações de balanços, que diante do atual cenário global ganham relevância na compreensão da saúde financeira tanto das empresas como dos bancos.

Na França, após o presidente do país prorrogar o bloqueio até pelo menos 11 de maio, o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, disse que agora a economia deverá recuar 8% este ano, em vez dos 6% projetados dias atrás.

As importações de petróleo da China em março cresceram 4,5% na comparação anual, segundo dados de alfândega, com refinarias estocando carregamentos baratos apesar da queda na demanda doméstica por combustível e de cortes nas taxas de refino devido à pandemia de coronavírus. A China, maior importadora de petróleo do mundo, importou 41,1 milhões de toneladas em março, segundo dados oficiais, o que representa 9,68 milhões de barris por dia (bpd).

 

Nas Bolsas,  Os índices acionários da China avançaram nesta terça-feira depois que o país divulgou dados comerciais com uma contração menor do que a esperada em março, dando a investidores esperanças de uma recuperação econômica apesar da disseminação global do coronavírus. As exportações da China caíram 6,6% em março sobre o ano anterior, enquanto as importações diminuíram 0,9%, resultado melhor do que o esperado conforme as fábricas retomam a produção. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 1,93%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 1,59%.

 

Nos Estados Unidos, O presidente Donald Trump disse que seu governo está próximo de completar um plano para reabrir a economia do país, que foi amplamente paralisada para desacelerar a propagação do novo coronavírus. Nove Estados nas costas leste e oeste do país informaram que haviam começado o planejamento para a reabertura gradual de suas economias e a suspensão dos decretos para ficar em casa. Na agenda economica do dia, ÀS 9h30 saem os preços dos bens exportados e importados.

 

ADVANCED – “A sua escolha em câmbio”.

 

Fonte: Reuters e Investing.com

Panorama de Mercado 13/04/2020

0

Aos clientes e amigos,

 

Bom dia  👀 📊  ativos operando:  🏛 🇺🇸 DÓLAR ⬆  ➕1,40% 💱 🇪🇺EURO ⬆  ➕1,30%  🗞

 

Ibovespa: -0,90%                                              Ásia (CSI300): -0,42%

Dow Jones Futuro: -1,20%                              Europa (Frankfurt): fechado.

 

No mercado de câmbio: Dólar operando em alta no início da semana. O boletim Focus do Banco Central trouxe novas projeções do mercado financeiro para o final de 2020. São elas: IPCA: 2,52%, PIB: -1,96%, USD: 4,60, SELIC: 3,25%, PROD.INDL.: -1,42%, BALANCA COML.: USD 35 bilhoes, INVESTIMENTOS DIRETOS NO PAIS: USD 73 bilhoes. Quanto as perspectivas do TOP 5, foram as seguintes: Abril: 4,96, Maio: 4,90 e Junho: 4,85, sempre considerando o encerramento de cada mês. Nova queda na estimativa para o PIB (deve cair mais), alta para o dólar, baixa para inflação e Selic. No mais, os mercados reagem ao acordo entre os países produtores de petróleo que decidiram anunciar um corte de 10% na oferta global, correspondente a 9,7 milhoes de barris por dia, considerado insuficiente a principio. A semana reserva indicadores importantes, destaque para quarta e quinta-feira que trazem informações de americanos e chineses. No primeiro, quarta-feira, vendas no varejo e produção industrial, já no segundo, quinta-feira, PIB referente ao primeiro trimestre, produção industrial e investimentos. Não são esperados números satisfatórios. Importante observar também que na quinta-feira saem os novos pedidos de auxilio desemprego semanal nos Estados Unidos junto a esclarecimentos sobre o setor imobiliário. Nas ultimas semanas o número de americanos a solicitarem o auxilio superaram 15 milhoes de pessoas, e isso tende a subir. No Brasil, o fluxo cambial semanal na quarta-feira, enquanto são observados os passos do Congresso Nacional para averiguar as votações do projeto de auxilio aos Estados e a PEC da guerra, no Senado, ao mesmo tempo em que os agentes aguardam que os congressistas deem ao Banco Central Brasileiro mais poderes para compra direta de divida. O Banco Mundial estimou que o PIB brasileiro caira a -5% em 2020 enquanto a economia global caminha para uma profunda recessão.

 

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬆  INDEX: 0,05%  (Comportamento do dólar ante as principais moedas, no exterior).

🏛 🇺🇸  DÓLAR ⬆   FUTURO: 1,30%  (Comportamento do Dólar Futuro para o mês de Maio).

 

Na agenda interna,  O governo brasileiro estuda aumentar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para gasolina e retirar os tributos Pis/Cofins para o etanol por um período, com o objetivo de ajudar usinas de cana-de-açúcar em tempos de coronavírus, disse a ministra da Agricultura, Tereza Cristina. O setor de etanol tem sofrido pela queda drástica do consumo, diante das medidas de isolamento adotadas contra o vírus que restringem o tráfego de veículos, e também pela redução do preço da gasolina, concorrente do biocombustível, na esteira das baixas acentuadas nas cotações do petróleo.

 

Na agenda externa,  As cidades chinesas próximas à fronteira com a Rússia reforçaram os controles fronteiriços e as medidas de quarentena para chegadas do exterior depois que o número de casos importados de Covid-19 atingiu um recorde. Novos casos confirmados diariamente na China continental atingiram 99 em 11 de abril, de 46 no dia anterior, para o patamar mais alto em um mês. Com exceção de dois dos novos casos registrados, todos envolviam pessoas que viajavam do exterior, muitos deles cidadãos chineses retornando da Rússia.

 

 

Nas Bolsas,  Os índices acionários da China fecharam em baixa nesta segunda-feira, uma vez que os novos casos diários de coronavírus se aproximaram de uma máxima em quase seis semanas. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 0,42%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,49%.

 

Nos Estados Unidos, nao temos noticias de primeira linha na agenda economica.

 

 

ADVANCED – “A sua escolha em câmbio”.

 

Fonte: Reuters.